Ações do setor Tecnologia

O setor de tecnologia possui empresas criadoras de soluções digitais e produtoras de hardware, mas também existe diversas empresas de outros setores que utilizam a tecnologia como core de seu negócio. Ver mais

Conheça o setor Tecnologia

Escrito por:

Marjoel Moreira

O setor de tecnologia é um dos setores do mercado de ações que mais gera divisão de opiniões entre os investidores. Ao mesmo tempo em que é um setor com potencial de crescimento, tendo empresas envolvidas direta e indiretamente, há discussões sobre a capacidade de crescimento e perenidade deste setor no Brasil.

Isso porque existem tanto empresas lucrativas, com a implementação de suas soluções, como nas empresas que não apresentam lucros, cada uma com suas particularidades, que determinam seus resultados.

Além disso, é interessante destacar que mesmo que o setor de tecnologia seja definido por empresas criadoras de soluções digitais e produtoras de hardware, existem várias empresas de outros setores que utilizam a tecnologia como o núcleo de seu negócio.

As empresas deste setor listadas na bolsa de valores brasileira (B3) prestam serviços como:

  • Processamento de pagamentos;
  • Produção de peças e eletrônicos;
  • Hospedagem de sites;
  • Soluções tecnológicas em geral;
  • Soluções tecnológicas para segurança;
  • Soluções tecnológicas para o comércio;
  • Soluções tecnológicas para a indústria;
  • Entre outros.

Além disso, existem as empresas que não se enquadram diretamente no setor de tecnologia, mas que possuem a tecnologia como core (núcleo) de sua atuação. Como exemplo deste caso, são as empresas atuantes no varejo que implementaram soluções digitais de integração nas vendas.

É notável que o mundo está progressivamente mais dependente de soluções tecnológicas. Portanto, não restam dúvidas sobre o potencial de crescimento do setor de tecnologia, inclusive na bolsa de valores, tanto na B3 quanto em bolsas internacionais. Inclusive, empresas de vários setores que entraram em um processo de digitalização de seus negócios tiveram valorização de suas ações na bolsa de valores.

Apesar disso, muito se discute sobre a possibilidade de crescimento deste setor no Brasil. Mesmo com a existência de empresas com alto crescimento e uma gama de serviços oferecidos, o setor de tecnologia listado na bolsa de valores brasileira, a B3, ainda é considerado pequeno em comparação às empresas listadas em bolsas de valores internacionais. No mercado dos EUA, por exemplo, existe uma grande variedade de empresas de tecnologia na bolsa de valores.

Além disso, o reflexo sobre o crescimento deste setor na bolsa de valores brasileira é vista pela baixa dependência das tecnologias digitais a uma localidade específica. Dessa forma, idealizadores de tecnologias inovadoras podem, facilmente, optar por ambientes de negócios mais receptivos e menos burocráticos e, como se sabe, o ambiente de negócios ainda é um desafio no Brasil. Muitas vezes brasileiros atuantes neste setor migram para países mais receptivos aos seus serviços.

Vantagens do setor de tecnologia

Tecnologia é, atualmente, parte de nosso cotidiano, tanto no lazer quanto no âmbito profissional. Portanto, o setor de tecnologia é atrativo por possuir um alto potencial de crescimento, de modo em que o investidor que entende seus riscos pode se expor a um setor com bons crescimentos, tanto na B3 quanto em bolsas de outros países.

Uma das principais vantagens promovidas pelo setor tecnológico é a escalabilidade dos resultados digitais. Uma vez criada, uma solução digital pode ser implementada em milhares de dispositivos, sem que necessite de processos logísticos, instalações físicas, entre outros, dado que pode ser transmitida e recebida virtualmente.

Empresas do setor de tecnologia, desfrutam cada vez mais da vantagem de não depender de grandes estruturas físicas e estabelecimentos para sua atuação. Dessa forma, se tem uma estrutura enxuta, o que possibilita reduções de custos em diversas frentes do negócio.

Vale lembrar que essas empresas também possuem baixa dependência de uma localidade específica, uma vez que, por exemplo, um software desenvolvido em um país pode ser amplamente vendido mundo a fora ou um hardware desenvolvido em um país não necessariamente precisa ser exportado para outro, bastaria terceirizar etapas do processo de produção.

Além disso, a independência de localidades permite às empresas de tecnologia se alocarem no ambiente de negócios que julgarem mais adequado ao serviço que prestam. Logo, uma companhia de tecnologia, por possuir baixa dependência de instalações físicas, pode optar por se instalar em diversas localidades, o que otimiza seus negócios.

Esses fatores juntos geram outra vantagem importante para as empresas de tecnologia, a redução de custos. Em bancos digitais, por exemplo, há um custo muito menor comparado aos bancos comerciais, devido ao fato dos bancos digitais, geralmente, não possuírem agências. Consequentemente, elimina custos em aluguéis de imóveis e contratação de pessoal, por exemplo.

Com base na vantagem de custos menores, tais companhias tornam-se potenciais competidoras às empresas tradicionais. Em geral, empresas que adotam a tecnologia em sua atuação, mesmo que não se enquadrem no setor de tecnologia diretamente, desfrutam desta vantagem e se tornam potenciais competidoras às empresas já consolidadas no mercado.

Entre outras vantagens, o setor de tecnologia tem grande potencial de crescimento devido à maior aceitação de empresas de diversos setores para o crescimento dos seus negócios. Consequentemente essas empresas tendem a gerar um aumento na demanda por soluções tecnológicas, tanto gerais quanto personalizadas, que possibilitem a otimização de sua atuação. Além disso, empresas de vários setores, atualmente, desenvolvem suas próprias implementações tecnológicas.

Riscos do setor de tecnologia

O investidor que possui empresas de tecnologia em sua carteira deve se manter atento ao progresso das empresas no mercado. Afinal, tecnologias evoluem de maneira extremamente veloz atualmente, de modo que empresas que não mantém seus produtos e serviços em constante desenvolvimento podem ter prejuízos, caso suas soluções se tornem defasadas.

Além disso, empresas de menor porte representam um maior risco ao investidor nesse setor. A precificação de ações dessas empresas acontece com base na expectativa de êxito em implementar um produto ou serviço. Entretanto, o inverso também é válido, mediante à uma alta expectativa caso a implementação não tenha sucesso os ativos podem, rapidamente, serem desvalorizados pelo mercado.

Embora o setor de tecnologia ainda seja reduzido na bolsa de valores brasileira, o mercado neste setor é altamente competitivo. De modo em que falhas em gestão e adaptação da empresa e seus serviços às tendências e demandas do mercado podem levar uma empresa de tecnologia ao prejuízo.

Empresas que não possuem lucro possuem um maior risco em relação a honrar suas dívidas, principalmente se ocorrer alguma situação que aumente seu prejuízo. Afinal, empresas que não geram lucros são financiadas através de endividamento ou de aportes de investidores, em troca de uma participação na companhia.

É aceitável, atualmente no mercado, que empresas do setor de tecnologia não gerem lucro logo nos primeiros anos de atuação, como uma forma de estratégia.

Afinal, no início de suas operações as empresas de tecnologia, normalmente, dirigem seu foco à obtenção de clientes para escalar seus serviços, o que gera prejuízos em um primeiro momento. Entretanto, ao investir em empresas de tecnologia, é importante entender a estratégia da companhia em questão para gerar resultados positivos no longo prazo.

Empresas altamente inovadoras podem enfrentar dificuldades em implementar e oferecer seus serviços em um ambiente regulatório que seja impeditivo, em termos de existirem muitas regulamentações que impeçam uma desenvoltura mais robusta de novas tecnologias. Em geral, empresas deste setor realizam tentativas de reduzir esse risco ao se alocarem em países de legislação mais favorável, devido à sua baixa dependência de estabelecimentos físicos.

Sobretudo existem ativos altamente voláteis. Apesar de se tratar de um setor com alto potencial de crescimento, alguns ativos ainda não se consolidaram no mercado e, consequentemente, não são ativos perenes, como ações de transmissoras de eletricidade ou seguradoras, por exemplo.

Setor de tecnologia na bolsa de valores

Na bolsa de valores, empresas do setor de tecnologia ou que adotam tecnologias nos negócios estão atraindo cada vez mais atenção dos investidores. Isso se deve à irreversível tendência de que as soluções tecnológicas serão gradativamente mais presentes no cotidiano e, consequentemente, empresas ligadas ao setor precisam alcançar melhorias em seus resultados financeiros.

Na bolsa de valores brasileira, a B3, o setor de tecnologia ainda é pouco relevante quando comparado ao setor de tecnologia na bolsa de valores dos Estados Unidos, por exemplo. Para fins de comparação, no mercado de capitais norte-americano são listadas as maiores empresas do setor de tecnologia mundial, assim como existem diversos ETFs (Exchange Traded Funds) com portfólios que são compostos por empresas de tecnologia.

Entretanto, no mercado de capitais brasileiro, o setor de tecnologia também é crescente e gerou ótimos resultados a muitos investidores. Em geral, as ações de empresas de tecnologia ou de firmas que se digitalizam têm sido altamente apreciadas e ganhado grande notoriedade.

Na B3, existem diversos ativos relacionados ao setor de tecnologia, como por exemplo:

  • Totvs (ações TOTS3): Atua com a implementação de software de gestão para empresas de variados setores e portes;
  • Sinqia (ações SQIA3): É protagonista no mercado de desenvolvimento de softwares (programas computacionais) para empresas do setor financeiro;
  • Locaweb (ações LWSA3): Atua com serviços de hospedagem de sites;
  • Positivo (ações POSI3): Fabricante de computadores e celulares no Brasil;
  • Linx (ações LINX3): Atua com o desenvolvimento de softwares de gestão com ênfase no desenvolvimento de soluções para o setor de varejo;
  • Méliuz (ações CASH3): Plataforma de cashback voltada ao setor de varejo, utiliza a tecnologia e os canais digitais como o núcleo de sua atuação;
  • Neogrid (ações NGRD3): Focada no desenvolvimento de soluções de integração em operações industriais e de varejo.