O que é Plano Real ?

O Brasil passou por muitos planos econômicos e muitas trocas de moeda ao longo de sua história. E é inegável que o plano real foi um dos mais bem sucedidos.

A verdade é que o Brasil viveu períodos de muita instabilidade econômica causada tanto por uma má administração da economia quanto por fatores externos.

Um dos grandes problemas que o país enfrentou em decorrência dessas crises econômicas foi o surgimento da hiperinflação, algo que o plano real foi capaz de dar conta.

O que é o plano real?

O plano real foi uma série de medidas econômicas implementadas n o governo Itamar Franco (1992 a 1994), para, principalmente, controlar a hiperinflação que assolava o país.

A pessoa responsável por formar a equipe que criou o plano real, foi o então ministro da fazenda Fernando Henrique Cardoso, que viria a ser o presidente da república.

As medidas econômicas propostas pelo plano real, por sua vez, foram divididas em três etapas, são elas:

  • Ajuste fiscal: foram feitas mudanças na cobrança dos impostos e também quanto a sua destinação;
  • Desindexação: a inflação parou de indexar os preços e valores e foi substituída pelo dólar, temporariamente;
  • Âncora cambial: a instauração da URV e depois efetivamente a implementação do Real.

Diferente dos outros planos econômicos anteriores, não houve congelamento de preços e nem confisco do dinheiro das pessoas.

Origem do plano real

O plano real surgiu após sucessivas tentativas de planos econômicos que falharam, tanto durante os últimos anos da ditadura militar, como no governo Sarney e Collor.

Esses planos que falharam tentava conter a descontrolada inflação que assolava o país, que no começo dos anos 80 chegava a 100% ao ano e em 1990 acumulou 6800%. 

O fato é que nos últimos anos o Brasil havia pegado muito dinheiro emprestado a juros baixos de países desenvolvidos para financiar o seu projeto de desenvolvimento.

No entanto, com a crise do petróleo no meio dos anos 70 e depois com a moratória do México em 1982, instaurou-se um período caótico em toda a América Latina.

Os países desenvolvidos não se sentiam confiantes em emprestar dinheiro para os países subdesenvolvidos, como o Brasil, e os juros cobrados eram agoniantes para a economia.

Houve assim um enorme corte de financiamento, desestruturando e cerceando o desenvolvimento brasileiro, ao mesmo tempo, em que aumentava sua dívida externa.

Houve uma tentativa, com o Consenso de Washington, de praticar medidas ortodoxas e de austeridade, como uma condição para refinanciar as dívidas dos países em crise.

Consequências do plano real

O principal objetivo do plano real foi alcançado com um enorme sucesso, ou seja, houve o controle imediato da inflação, que passou a patamares aceitáveis e normais.

Por outro lado, não houve muita mudança no poder de compra do brasileiro, que continuou sendo considerado baixo. O desemprego também aumentou em um primeiro momento.

Uma das medidas adotadas pelo plano real, na época, foi o controle do câmbio, o que fez com que o real ficasse em paridade com o dólar, e em um dado momento até valendo mais.

Isso sem contar que o sucesso do plano foi o responsável pela eleição de FHC a presidente da república e posteriormente, uma mudança na constituição que permitiu a sua reeleição.

De qualquer forma, a estabilidade econômica do país foi alcançada e junto de algumas medidas liberais a economia do país se abriu mais.

Mural de discussão

Se a sua dúvida é sobre algum ativo, pesquise-o na caixa de busca e verifique se a sua dúvida já foi respondida por algum membro da comunidade.