O que é NASD11?

Escrito por:

Marcilio Lima

O NASD11, gerido pela XP Asset, é um fundo de índice (ETF) que se expõe às principais empresas presentes no ambiente de negociação da Nasdaq, uma das bolsas de valores dos Estados Unidos.

O NASD11 é considerado um índice “jovem” quando comparado aos demais índices do mercado. Ao lançar esse ETF em 2021, a XP foi pioneira em oferecer o primeiro ativo da bolsa brasileira que replica o índice Nasdaq-100.

A Nasdaq é uma das bolsas de valores dos Estados Unidos que concentra a listagem das maiores empresas de tecnologia do mundo. Como consequência, o NASD11 possui maior concentração em empresas de tecnologia.

Em termos operacionais, o fundo adota uma estratégia de gestão passiva, ou seja, ele possui o objetivo de somente replicar a variação do Nasdaq-100, não de superá-lo.

Desse modo, o ETF visa atingir seus objetivos por meio de uma estrutura com baixo custo de gestão e facilidade de investimento na bolsa brasileira.

Adicionalmente, vale destacar que a estratégia do fundo envolve investir em ativos de forma dolarizada. Assim sendo, o NASD11 é útil em proteger o investidor em momentos de desvalorização do Real.

Por fim, o NASD11 possui, como parte de seu objetivo, ser um canal acessível aos investidores brasileiros. O fundo tem acesso totalmente irrestrito através do ambiente de negociação da B3 com valor de negociação inferior a R$10.

Quais ativos compõem a carteira do NASD11?

O NASD11 possui sua carteira composta pelos ativos presentes no índice Nasdaq-100 que, por sua vez, é composto pelas 100 maiores empresas de tecnologia presentes na Nasdaq.

Vantagens do NASD11

A principal vantagem relacionada ao NASD11 se trata de sua diversificação, já que o fundo é composto pelas 100 maiores empresas da Nasdaq.

Em complemento, esse ETF fornece ainda uma diversificação geográfica em empresas atuantes nos EUA e mundo afora. Dessa forma, o fundo permite uma diversificação em termos de moedas, dado que sua cota é sensível ao valor do dólar.

O resultado disso é uma boa mitigação de riscos dentro do ambiente de renda variável.

Vale destacar ainda que o NASD11 oferece ao mercado vantagens em termos de praticidade. Afinal, a exposição nas mais de 100 empresas norte-americanas, de forma dolarizada, pode ser inteiramente feita por meio do ambiente de negociação da B3.

Por fim, a gestão passiva do fundo representa uma vantagem em termos de custos, pois possibilita uma redução das taxas de administração do fundo, que atualmente é de 0,3% ao ano.

Desvantagens do NASD11

A principal desvantagem do NASD11 diz respeito à gestão passiva. Na pratica, como esse tipo de gestão replica o índice de referência, o investidor nunca irá conseguir superar o índice.

Como não tem autoridade para alterar a carteira do fundo, o investidor estará exclusivamente exposto às empresas do índice.

Dado que o NASD11 é composto somente por ativos de renda variável no exterior, existem dois principais riscos que podem impactar o valor de sua cota: o risco de mercado e o risco cambial.

Sobre o risco de mercado, ele se refere ao risco de o preço sofre maior volatilidade da cota, influenciado pelos ativos que a compõem.

No que diz respeito ao risco cambial, como o NASD11 se expoe ao dolar, uma simples variação do preço do dólar pode provocar variações do preço das cotas de NASD11 em Reais.

Portanto, se o dólar subir, o valor das cotas NASD11 também tende a subir. Por outro lado, as cotas do fundo tendem a se desvalorizar se o dólar cair.

Taxas do NASD11

O NASD11 cobra dos investidores somente a taxa de administração do fundo que é de 0,3% ao ano sobre o patrimônio líquido do fundo.

Nesse sentido, ao comparar o NASD11 com outros fundos, principalmente os de gestão ativa, nota-se uma redução significativa dos custos.

Claro que o ideal é evitar esses custos para otimizar a rentabilidade. No entanto, o custo de 0,3% ao ano do NASD11 é significativamente melhor do que os acima de 1% ao ano em fundos de gestão ativa, que muitas vezes sequer atingem o desempenho de referência.

Como comprar cotas do NASD11?

O processo de compra das cotas de NASD11 é bastante simples. Em primeiro lugar, é necessário recorrer a uma corretora de valores para negociar os ativos.

Com o dinheiro na conta, o investidor já pode acessar o home broker e começar a operar. Para isso, ele deve inserir o código de negociação NASD11 e preencher os dados básicos referente a quantidade e preço.

Uma vez inserido a quantidade desejada e o preço pelo qual se deseja comprar o ETF, basta enviar a ordem para execução e, por fim, conferir se a mesma foi completamente executada.

Uma dica para acelerar o processo de execução integral de uma ordem é realizá-la no mercado.

Para isso, basta selecionar a opção “ordem a mercado” e o sistema da corretora irá, automaticamente, realizar a compra dos ativos conforme a melhor oferta disponível no instante em que a ordem for emitida.

Qual é o público-alvo do NASD11?

De maneira geral, o fundo é acessível a qualquer tipo de investidor, seja pessoa física ou pessoa jurídica.

Vale destacar ainda que o NASD11 é acessível independentemente do patrimônio do investidor e de sua qualificação técnica.

O NASD11 paga dividendos?

Não! Assim como os demais ETFs listados na bolsa brasileira, o NASD11 não distribui dividendos aos seus cotistas.

Em um primeiro momento, isso ocorre devido a entraves regulatórios que atualmente proibem ETFs de distribuir os dividendos recebidos pelas empresas que custodiam.

Sendo assim, o NASD11, assim como outros ETFs listados na B3, reinveste os dividendos recebidos na própria estrutura do fundo. Como os dividendos são totalmente reinvestidos, eles tendem a valorizar as cotas que são detidas pelo fundo.

Diante disso, é importante frisar que o NASD11 não é um instrumento útil para compor uma carteira com foco em receber dividendos.

O NASD11 possui imposto de renda?

Sim! Tanto o NASD11 quanto os demais ETFs listados no ambiente de negociação da B3 possuem a cobrança de imposto de renda (IR).

O IR incide apenas sobre o lucro da venda das cotas, não sobre o valor total. Portanto, os investidores pagam apenas IR pelo ganho de capital nas operações da NASD11.

Quando a compra e a venda das cotas são feitas no mesmo dia (Day Trade) ocorre a tributação de 20% sobre o lucro gerado. Resumidamente, se o investidor comprou R$1000 e vendeu R$1100, seu lucro foi de R$100, portanto o imposto de renda será de R$20.

Já quando a compra e a venda das cotas são feitas em dias diferentes (Swing Trade) é aplicada uma alíquota de 15% sobre o lucro.

Cabe destacar que tanto o NASD11 quanto os demais ETFs da bolsa brasileira não desfrutam da isenção de IR nas vendas com montante abaixo de R$20 mil por mês. Nesse caso, a isenção é válida somente para ações.

Por fim, vale lembrar que o cálculo, a cobrança e o pagamento do IR são de inteira responsabilidade do investidor. Portanto, os percentuais acima não são retidos na fonte como no caso de investimentos de renda fixa.

Portanto, o investidor deve, por contra própria ou por meio de uma consultoria contábil, calcular seu lucro e o imposto de renda devido. Em seguida, ele deve separar o valor do imposto e pagar o tributo através da guia DARF, que é um “boleto de impostos” destinado à renda variável.

Qual a diferença entre NASD11 e IVVB11?

A diferença fundamental entre NASD11 e IVVB11 é que eles replicam índices diferentes.

Inicialmente, o NASD11 replica o índice Nasdaq-100, um índice mais focado em empresas de tecnologia. Ao passo em que o IVVB11 replica o índice S&P500, um índice composto pelas 500 maiores empresas dos EUA, focado em setores que vão além da tecnologia.

Nesse contexto, o NASD11 fornece ao investidor uma exposição mais direcionada para as maiores empresas de tecnologia do mundo, algumas delas também presentes no IVVB11.

Por fim, vale ressaltar que, embora ambos os fundos tenham determinadas empresas em comum em suas carteiras, essas empresas possuem pesos diferenciados entre eles.

Portanto, ainda que o NASD11 e o IVVB11 tenham empresas em comum, elas se apresentam em proporções diferentes da carteira dos fundos.

Qual é o melhor ETF americano?

Depende! De um modo geral, o que é melhor depende de seus objetivos de exposição ao mercado de ações dos EUA.

Para quem busca exposição com foco em empresas de tecnologia, o NASD11 pode ser uma excelente opção.

Ao passo que, para uma exposição mais diversificada em demais setores, o IVVB11 é um fundo mais adequado.

Mural de discussão

Se a sua dúvida é sobre algum ativo, pesquise-o na caixa de busca e verifique se a sua dúvida já foi respondida por algum membro da comunidade.