O que é Demonstração do Valor Adicionado (DVA)?

A Demonstração do Valor Adicionado (DVA) pode ser entendido como um relatório contábil que descreve qual foi a geração de valor de uma empresa de um período para outro. Também, o DVA explica qual foi o destino e distribuição dessa riqueza entre os participantes e geradores em sua produção.

Entende-se por “valor adicionado” a diferença entre o custo que a companhia teve para produzir essa riqueza e o que ela produziu de bens e serviços no final de sua atividade. 

Então, o DVA descreve quem contribuiu para a geração de valor (entre funcionários, distribuidores, financiadores, fornecedores, sócios, acionistas, órgão governamental, por exemplo) e para quais setores essas riquezas devem ser distribuídas. 

De acordo com a Constituição Federal, toda empresa que tem o seu capital aberto deve elaborar o documento no fim de cada exercício contábil, sendo que sua divulgação deve acontecer pelo menos uma vez ao ano, juntamente com os demais relatórios e demonstrativos financeiros e fiscais.

Além das empresas com capital aberto, várias outras optam por elaborar o documento para fins gerenciais e para demonstrar a capacidade do empreendimento em transformar ativos em recursos de valor intrínseco.

Para a elaboração da DVA, é preciso ter em mãos um outro relatório, a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). Com isso, é realizado uma análise temporal para fins comparativos, para que o crescimento da empresa seja provado com dados concretos. 

Sendo assim, a DVA deve comparar a valor adicionado entre um período e o seu antecessor e exibir sua variação absoluta (em números) e relativa (em pontos percentuais).

Deve-se levar em conta na elaboração da Demonstração do Valor Adicionado as receitas operacionais e não-operacionais da companhia, em comparação com as despesas operacionais. A diferença obtida será o valor adicionado bruto. 

Nesse ponto, deve-se descontar despesas não-operacionais, como juros, amortizações e depreciação do período. Por fim, obtém-se o valor adicionado líquido.

Agora que o valor adicionado líquido foi obtido, a DVA precisa explicar qual será o destino dos recursos e como tais riquezas serão distribuídas. 

Sendo assim, esse relatório especifica o quanto desse valor foi destinado aos funcionários, aos impostos governamentais, aos bancos ou outra renumeração de terceiros e, em conclusão, a quantia a ser dividida entre os acionistas.

Para esquematizar:

VALOR ADICIONADO

DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO

(+) Receitas (valor bruto + impostos)

1. Fins de benefício interno (pagamento de funcionários)

(-) Insumos de terceiros (matérias-primas e mercadorias, com a inclusão de ICMS e IPI)

2.  Acerto de contas com o Governo (pagamento de impostos, taxas e contribuições)

(=) Valor Adicionado Bruto

3.  Acerto de contas com financiadores (Renumeração de terceiros envolvidos)

(-) Depreciação, Amortização e Exaustão

4.   Pagamento de acionistas e sócios (Renumeração de Capital Próprio)

(=) Valor Adicionado Líquido

 


Para fins fiscais, é preciso que o valor apurado no valor adicionado líquido seja igual ao valor distribuído entre os participantes na geração do lucro.

Para concluir, a DVA tem uma importância exclusiva para as empresas nacionais, pois revelam o desempenho da empresa na economia do país e como a mesma gera riqueza e valor para o país, servindo de base de cálculo para o PIB e indicadores sociais. 

Mural de discussão

Se a sua dúvida é sobre algum ativo, pesquise-o na caixa de busca e verifique se a sua dúvida já foi respondida por algum membro da comunidade.