O que é BOVS11?

Escrito por:

Marcilio Lima

O BOVS11 é um fundo de índice, conhecidos como ETFs (do inglês Exhange Traded Funds) que replica a carteira do principal índice de desempenho implementado pela B3, o Ibovespa. O fundo atua em replicar a carteira do Ibovespa para que, como consequência, seu desempenho seja espelhado. Assim ele te torna uma opção que investimento que linha grande praticidade a um baixo custo, para entregar uma exposição diversificada nas principais empresas presentes na B3.

Atualmente, existem quase 500 empresas, no total, listadas na B3. Já no Ibovespa, o índice concentra pouco mais de 90 empresas, dispersas entre mais de 10 setores da economia brasileiras.

Dado que o Ibovespa é o principal índice de referência da bolsa de valores brasileira, a B3, as empresas presentes em sua composição são as mais significantes empresas presentes em nossa bolsa. Essas empresas respondem por cerca de 80% do volume negociado na B3.

O BOVS11 replica a carteira teórica do Ibovespa e, consequentemente, sua performance é similar às variações do índice no ambiente de negociação da B3.

Consequentemente, o fundo é uma opção altamente diversificada e entrega essa diversificação com muita praticidade. Afinal, ao adquirir 1 cota de BOVS11, o investidor terá diversificação em um grande número de empresas e setores, sendo essas empresas as mais significativas da B3.

Para entregar o alinhamento entre diversificação e baixo custo, o BOVS11 adota uma estratégia chamada de gestão passiva. Essa estratégia se resume a replicar a carteira de um índice, nesse caso o IBOV, para replicar o seu desempenho.

Além disso, estratégias mais avançadas, para tentar superar o desempenho do índice, são dispensadas. Isso torna a gestão do fundo mais simples e barata. Consequentemente, isso se converte, em benefícios ao investidor, em menores taxas de administração.

Operacionalmente, o BOVS11 é gerido pelo Banco Safra e é constituído sobre a forma de condomínio fechado. Isso significa, basicamente, que as cotas do fundo devem ser compradas e vendidas por meio do ambiente de negociação da B3.

Seus principais concorrentes, entre os demais ETFs que replicam o Ibovespa, são o BOVX (gerido pela XP), o BOVA11 (BlackRock) e o IBOB11 (BTG Pactual).

A estratégia do BOVS11

O BOVS11 atua em prol do objetivo de replicar o desempenho do principal índice de desempenho da B3, o Ibovespa, também chamado de IBOV. Para isso, o fundo utiliza grande parte dos seus recursos para espelhar a carteira do índice e espelhar as variações do IBOV, no ambiente de negociação da B3, mais fielmente.

Para cumprir com seu objetivo, o fundo adota a estratégia de gestão passiva, essa se resume a espelhar a carteira de um índice de referência, nesse caso o IBOV, para replicar como consequência o seu desempenho. Nessa estratégia, são dispensadas estratégias mais avançadas para tentar superar o índice, o objetivo é entregar uma rentabilidade igual à do índice.

Ao abrir mão de estratégias mais avançadas, a gestão do fundo se torna mais simples e barata. Em geral, a gestão do BOVS11 se resume a utilizar no mínimo 95% de seus recursos para replicar a carteira do Ibovespa.

Os menores custos operacionais, em virtude da gestão simplificada, se convertem em benefício ao investidor através da prática de taxas de administração menores, frente aos demais tipos de fundos existentes no mercado de capitais.

Além disso, a gestão passiva oferece grande praticidade ao investidor, além de representar uma opção mais barata. Com base nessa estratégia, ao comprar somente 1 cota de BOVS11 o investidor estará diversificado nas mais de 90 empresas do Ibovespa e seus diversos setores.

Tudo isso de forma muito acessível, com um investimento necessário inferior a R$120 atualmente.

Quais ativos compõem a carteira do BOVS11?

O BOVS11 replica a carteira teórica do Ibovespa, com o objetivo de espelhar o seu desempenho. Portanto, a carteira do fundo será similar à composição do Ibovespa, com as mesmas ações presentes em uma proporção similar, para preservar o espelhamento do índice.

Legalmente, o fundo deve utilizar 95% de seus recursos sobre gestão para adquirir ações presentes no Ibovespa. Os 5% restantes podem ser utilizados em demais ativos, desde que alinhados com o objetivo do fundo, de replicar as variações do IBOV.

A composição do Ibovespa é atualizada com uma frequência trimestral. A cada trimestre, pode ocorrer a entrada e a saída de ações do Ibovespa e, consequentemente, da carteira do BOVS11.

A composição mais atualizada no IBOV, que reflete no BOVS11, está disponível para consulta no portal da B3.

Na diversificação setorial, como os principais setores presentes no Ibovespa e, como consequência, no BOVS11, é possível mencionar os setores a seguir:

  • Commodities: metalurgia, siderurgia, mineração, petróleo, entre outros;
  • Financeiro: majoritariamente grandes bancos e nossa bolsa de valores, a B3;
  • Alimentos diversos: carnes, cervejas, entre outros;
  • Saúde;
  • Varejo;
  • Varejo farmacêutico;
  • Aluguel de veículos;
  • Energia > geração, distribuição e transmissão;
  • Telecomunicações;
  • Fintechs;
  • Seguros;
  • Empresas aéreas;
  • Educação;
  • Entre outros;

É importante mencionar que a carteira do Ibovespa e, consequentemente, do BOVS11 é bastante concentrada no setor financeiro e no setor de commodities, apesar de possuir demais setores presentes.

Logo, impactos nesses setores ou até mesmo em ações, individualmente, de tais setores podem impactar facilmente o Ibovespa. Isso tende a fazer com que a cota de BOVS11 seja, similarmente, impactada para cima ou para baixo.

Vantagens do BOVS11

O BOVS11 carrega consigo a principal vantagem da gestão passiva: a diversificação entregue com grande praticidade e acessibilidade.

Primeiramente, o BOVS11 é diversificado em um número significativo de ações, há mais de 90 papéis presentes em sua estrutura. Isso mitiga riscos e faz com que a performance do fundo seja menos dependente de somente 1 ação individualmente.

O mesmo vale para a diversificação setorial, presente no Ibovespa e, consequentemente, no BOVS11. A diversificação setorial, similarmente à diversificação em número de ações, evita que o fundo seja muito concentrado em ações que tendem a se mover em uma direção apenas, em conjunto. Dessa forma, a performance do fundo é menos dependente de somente 1 setor individualmente.

Além disso, em complemento à diversificação, a praticidade e a acessibilidade do fundo se destacam. Afinal, ao comprar apenas 1 cota de BOVS11, o investidor estará amplamente diversificação através da aquisição de apenas um ativo em carteira.

Isso evita “poluir” a carteira com um excesso de ações e evita dificultar seu acompanhamento e suas questões tributárias, referentes ao imposto de renda.

Tamanha praticidade é extremamente acessível ao investidor, sendo as cotas de BOVS11 negociadas a menos de R$120, atualmente, na B3.

As vantagens descritas também tornam o BOVS11 uma opção favorável aos investidores iniciantes, que possuam menores recursos iniciais, assim como os investidores que desejam realizar um acompanhamento menos frequente de suas carteiras. A diversificação mitiga riscos e requer um menor tempo de estudo da estrutura.

Por fim, a estratégia de gestão passiva, ao simplificar a gestão do fundo, permite entregar menores taxas de administração ao investidor.

Desvantagens do BOVS11

O BOVS11 possui presente a principal desvantagem de sua estrutura: a impossibilidade de superar seu índice de referência. Afinal, o fundo deve, legalmente, usar grande parte do patrimônio para investir nas ações presentes no Ibovespa.

Logo, o desempenho do fundo tende a ser, necessariamente, similar às variações do Ibovespa. Assim como o fundo se torna impossibilitado de remover de sua carteira ativos e setores que historicamente performam mal em bolsa.

Isso leva à composição do Ibovespa, replicado pelo BOVS11, como uma desvantagem. Pois algumas empresas, especialmente de commodities e do setor financeiro, ocupam um grande peso no índice e no fundo e podem, consequentemente, impactá-los facilmente.

Além disso, temos duas desvantagens tributárias presentes no BOVS11.

Primeiramente, o fundo não possui a isenção de imposto de renda (IR) para vendas de no máximo R$20 mil por mês. Logo, toda venda de BOVS11, com lucro, é tributada.

Por fim, dado que os dividendos são retidos e reinvestidos no fundo, eles estão “dentro” do valor da cota. Logo, ao vender cotas com lucro, o investidor paga IR sobre os dividendos também, o que não ocorre nos dividendos distribuídos diretamente de ações ao investidor.

Quais são os riscos do BOVS11

O BOVS11 atua com o objetivo de replicar o desempenho do Ibovespa. Para isso, o fundo emprega grande parte dos seus recursos em replicar a carteira do índice, ou seja, investir nas mesmas ações presentes no IBOV. Logo, os riscos envolvidos no BOVS11 são justamente os riscos presentes nos investimentos em ações. O principal risco envolvido é o risco de mercado.

O risco de mercado se resume à possibilidade de que ocorra volatilidade e variações de preços nas ações presentes no fundo. Consequentemente, isso tende a impactar a cota de BOVS11 e desvalorizá-la em momentos de estresse do mercado.

No caso do BOVS11, o risco de mercado merece uma atenção mais profunda, em virtude da composição do Ibovespa, replicado pelo BOVS11. Isso ocorre devido ao fato de que o IBOV possui uma elevada concentração ao setor de commodities, que ocupa mais de 20% do índice.

Commodities, em geral, possuem ciclos de alta e de baixa em seus preços. Isso faz com que as ações do setor tenham seus preços impactos pelo preço das commodities que negociam. No caso de VALE3, por exemplo, se o preço do minério cai, o preço de VALE3 tende a cair conjuntamente.

Dessa forma, em ciclos de baixa de commodities, as ações do setor tendem a ser impactadas. Visto que possuem um peso grande no IBOV, essa queda tende a impactar o valor das cotas de BOVS11 no ambiente de negociação da B3.

O BOVS11 possui a garantia do FGC?

Não! Tanto o BOVS11 quanto os demais ETFs brasileiros não possuem a garantia do Fundo Garantidor de Crédito, conhecido como FGC. Não há garantia tanto do valor principal investido quanto de qualquer rentabilidade mínima.

Assim como o gestor e o administrador do fundo não fornecem nenhum tipo de garantia e não são, legalmente, responsáveis, por volatilidade na cota do fundo causada por razões normais de mercado.

A rentabilidade do investidor em BOVS11 depende apenas da valorização das ações que compõem o fundo, o que valoriza sua cota. Não há nenhuma garantia de rentabilidade mínima.

Taxas do BOVS11

O único custo presente nos investimentos em BOVS11, por parte do fundo, se trata da taxa de administração da estrutura do fundo. A taxa de administração praticada pelo BOVS11 é, atualmente, de 0,25% ao ano sobre o patrimônio sobre sua gestão.

Frente à concorrência, dos demais ETFs que replicam o Ibovespa, a taxa de administração do BOVS11 não figura, atualmente, entre as mais favoráveis, no patamar entre 0,03% ao ano e 0,10% ao ano. Porém ela também não se encontra no outro extremo, das mais desfavoráveis, que atingem patamares de 0,50% ao ano.

Frente aos demais tipos de fundos existentes no mercado de capitais, como os FIAs (fundos de ações), a taxa de administração do BOVS11 é significativamente mais favorável ao investidor.

Afinal, existem FIAs que desempenham pior que o Ibovespa, performance entregue pelo BOVS11, e exercem taxas de administração que chegam a 2% ao ano, acrescidas de taxa de performance.

Como comprar cotas do BOVS11?

O processo de compra das cotas de BOVS11 é bastante simples. Em um primeiro momento, é necessário recorrer a corretora de sua preferência, na qual se pode negociar ativos em bolsa. Em seguida, basta inserir o código de negociação BOVS11 e preencher os dados básicos da ordem: quantidade e preço.

Uma vez inserido o código de negociação, basta inserir a quantidade desejada e o preço pelo qual se deseja comprar tal quantidade de cotas. Feito isso, basta enviar a ordem para execução e, por fim, conferir se a ordem foi completamente executada.

Adicionalmente, uma boa forma de agilizar a execução integral de uma ordem é realizá-la a mercado. Para isso, basta selecionar a opção “ordem a mercado” e o sistema digital de sua corretora irá, automaticamente, realizar a compra de cotas conforme a melhor oferta disponível no instante em que a ordem for emitida.

Qual é o público-alvo do BOVS11?

O BOVS11 possui os investidores em geral como seu respectivo público-alvo. Por isso, todo investidor pode comprar cotas do fundo através da B3, sem a existência de qualquer tipo de restrição.

Conforme o portal de relações com investidores (RI) do próprio BOVS11, o fundo é destinado aos investidores que compreendam os riscos envolvidos em sua estrutura e busquem um retorno coerente com o objetivo de investimentos do fundo.

A partir disso, de forma mais detalhada, tanto investidores pessoa física (PF) quanto investidores pessoa jurídica (PJ) podem adquirir cotas de BOVS11, sem restrições de qualificação técnica do investidor ou de seu patrimônio acumulado no mercado financeiro.

O BOVS11 paga dividendos?

Não! Tanto o BOVS11 quanto os demais ETFs listados no ambiente de negociação da B3 não distribuem dividendos aos seus cotistas. Isso ocorre devido a entraves técnicos e, principalmente, regulatórios que impedem que os ETFs brasileiros distribuem dividendos até o presente momento.

Ao receber dividendos, provenientes das empresas que compõem a carteira do fundo, o BOVS11 os reinveste internamente, em sua própria estrutura. Isso faz com que o valor dos dividendos, quando reinvestidos, seja incorporado ao valor da cota de BOVS11 a longo prazo.

Logo, a cota do BOVS11 tende a se valorizar devido ao reinvestimento dos dividendos recebidos e mantidos dentro do fundo. Dessa forma, o investidor recebe seus dividendos de forma indireta, via valorização de suas cotas.

Apesar disso, é importante mencionar que o BOVS11 não é útil para compor uma carteira focada em receber dividendos. Afinal, o fundo até o presente momento irá os reinvestir, ao invés de repassá-los ao cotista quando recebidos os proventos.

O BOVS11 possui imposto de renda?

Sim! O BOVS11, assim como todos os demais ETFs presentes na B3, possui a cobrança de imposto de renda (IR). A cobrança de IR ocorre somente sobre o lucro obtido no ato de venda de cotas do fundo. Dessa forma, se o investidor as vender com prejuízo, não ocorrerá a cobrança de impostos.

Em operações de Day Trade, nas quais a compra e a venda de cotas ocorrem no mesmo dia, com lucro, a alíquota praticada de IR será de 20% sobre o lucro obtido com a operação.

Já em operações de Swing Trade, onde a compra e a venda de cotas ocorrem em dias diferentes, com lucro, a porcentagem de IR incidente é de 15% sobre o lucro auferido na movimentação.

Além disso, é fundamental destacar que no caso de ETFs, como o BOVS11, não ocorrerá a retenção do imposto de renda na fonte, como ocorre nos investimentos em renda fixa, por exemplo.

Logo, o próprio investidor deve, por contra própria ou por meio de serviços contáveis, calcular o IR devido e pagar o IR via DARF, um “boleto de impostos”, até o último dia útil do mês subsequente à venda de cotas com lucro.

O BOVS11 possui isenção de IR para venda até R$20 mil por mês?

Não! O BOVS11, em linha com os demais ETFs listados no ambiente de negociação da B3, não possui a isenção de imposto de renda (IR) para vendas de cotas, com lucro, limitadas a um valor de R$20 mil no mês. Esse benefício fiscal é válido somente para vendas de ações.

Portanto, toda venda de BOVS11, se feita com lucro, terá a cobrança de IR, conforme às condições mencionadas acima.

Quanto rende o BOVS11?

O BOVS11 atua em torno do objetivo de replicar a carteira e, consequentemente, o desempenho do Ibovespa. Portanto, seu rendimento tende a ser similar às variações do IBOV.

Além disso, a rentabilidade do fundo é influenciada, positivamente, pelo reinvestimento dos dividendos, recebidos das empresas que compõem o fundo. O reinvestimento tende a valorizar a cota do BOVS11 na B3. Afinal, os dividendos, ao serem reinvestidos, se tornam incorporados ao valor da cota de BOVS11 a longo prazo.

Como investir em todas as ações do Ibovespa?

O caminho mais prático e acessível para investir em todas as ações presentes no Ibovespa, em conjunto, é utilizar um fundo de índice, conhecidos como ETFs. Basicamente, basta selecionar um dos fundos, presentes na B3, que replica a carteira do Ibovespa e, consequentemente, seu desempenho.

Isso evita que o investidor “polua” sua carteira com muitos ativos, dificultando o acompanhamento dos investimentos.

Dentre essas ações, está presente o BOVS11, gerido pelo Safra, e seus principais concorrentes como, por exemplo, o BOVA11, o BOVX11, o IBOB11, entre outros.

Qual é o melhor ETF que replica o Ibovespa?

Para o investidor pessoa física (PF), a melhor forma de escolher qual o melhor ETF, para replicar o Ibovespa ou outro índice, ocorre através da observação da taxa de administração praticada por cada fundo pertencente ao conjunto de fundos que replicam o IBOV.

O BOVS11 figura entre as opções disponíveis ao investidor, sobre a gestão do Banco Safra. Entretanto, o BOVS11 não se trata do fundo mais favorável em termos de custos aos investidores. Existem demais ETFs, que replicam o Ibovespa, que praticam taxas de administração significativamente menores que a alternativa do Safra.

Qual é a diferença entre o BOVS11 e o BOVA11?

As principais diferenças entre o BOVS11 e o BOVA11 são as taxas de administração, de cada fundo, e as instituições financeiras responsáveis por sua gestão. No demais, os dois fundos replicam o mesmo índice, o Ibovespa, e com isso possuirão uma performance similar.

O BOVA11, atualmente o mais conhecido ETF para replicar o Ibovespa, é gerido pela BlackRock. Já o BOVS11 possui sua gestão a cargo do Banco Safra.

Em termos de custos, a taxa de administração do BOVA11 é de 0,30% ao ano, frente aos 0,25% ao ano praticados pelo BOVS11. Logo, o BOVS11 se destaca com uma taxa de administração menor ao investidor.

Qual é a diferença entre o BOVS11 e o BOVX11?

As diferenças entre o BOVS11 e o BOVX11 estão tanto em suas taxas de administração quanto nas instituições financeiras que realizam a gestão de cada fundo. Ademais, os fundos replicam exatamente o mesmo índice, o Ibovespa, e terão um desempenho similar no ambiente de negociação da B3.

O BOVS11 possui sua gestão a cargo do Banco Safra e pratica, atualmente, uma taxa de administração de 0,25% ao ano.

Ao passo em que o BOVX11 possui sua gestão sobre a responsabilidade da XP Asset Management e se destaca, em relação ao BOVS11, por possuir uma taxa de administração menor, de 0,10% ao ano.

Qual é a diferença entre o BOVS11 e o IBOB11?

As diferenças entre o BOVS11 e o IBOB11 residem nas taxas de administração de cada estrutura e nas instituições financeiras que realizam a gestão de cada fundo. Em seus demais aspectos, ambos os fundos replicam exatamente o mesmo índice, o Ibovespa, e tendem a possuir um desempenho similar no ambiente de negociação da B3.

O BOVS11 possui sua gestão realizada pelo Banco Safra e, através do Safra, pratica uma taxa de administração de 0,25% ao ano.

Enquanto o IBOB11 é gerido pelo BTG Pactual e se destaca em relação ao BOVS11 por possuir uma taxa de administração menor, visto que pratica uma taxa de administração de 0,03% ao ano, onerando menos a rentabilidade do investidor.

Mural de discussão

Se a sua dúvida é sobre algum ativo, pesquise-o na caixa de busca e verifique se a sua dúvida já foi respondida por algum membro da comunidade.