O objetivo de um Fundo Espelho é imitar a performance de um segundo fundo de investimento já disponível no mercado, o qual é tido como referência. Sendo assim, tanto o fundo que imita, quanto o fundo que é imitado possuem os mesmos ativos em carteira.

Dessa maneira, ambos os fundos terão a mesma rentabilidade. A principal disparidade entre eles é o preço das cotas, sendo que o Fundo Espelho terá um valor mais acessível no mercado, por estar menos tempo em circulação. Outra função de um Fundo Espelho é oferecer proteção ao fundo que é imitado, pois os gestores podem captar recursos indiretamente pelo Fundo Espelho.

Por meio dos Fundos Espelhos, investidores iniciantes ou com menos poder aquisitivo podem participar de grandes fundos, os quais, muitas vezes, contam apenas com investidores qualificados (aqueles com certificação de órgãos reguladores do mercado ou com R$ 1.000.000 de patrimônio investido) ou com poder de compra elevado. Assim, essa modalidade de investimento é capaz de democratizar o mercado de capitais.

De acordo com a Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), os Fundos Espelhos se encontram na categoria multigestor, pois “espelha” ou “imita” um fundo gerido por outros gestores ou outras instituições terceiras.

Como em fundos tradicionais, os Fundos Espelhos também trazem a taxa de administração e, em casos específicos, taxas de performance. Tais cobranças, porém, podem ser mais elevadas do que as cobradas em fundos tradicionais. Além disso, a liquidez desses fundos é reduzida em alguns casos.

Em suma, os Fundos Espelhos são bastante populares no mercado. Por exemplo, o fundo IVV ou iShares S&P 500 é espelhado pelo ETF IVVB11, um dos mais conhecidos pelos investidores que desejam diversificação no mercado norte-americano. Há ainda o fundo Nasdaq Crypto Index (NCI), o qual é espelhado pelo ETF HASH11, dessa vez voltado ao universo de criptomoedas.

Assim, tais fundos é uma ótima forma de pequenos investidores para procurar diversificação e potencialização da rentabilidade da carteira, tudo isso com custos acessíveis.

Veja outros termos do mercado financeiro:

Mais acessados