Toda empresa possui capital de terceiros na sua operação. Esse tipo de capital pode tanto ser essencial para a operação da companhia, como um problema.

Saber como gerir o capital de terceiros para que a empresa mantenha uma operação sustentável é uma das tarefas mais importantes dos administradores.

Por outro lado, há quem não saiba do que se trata o capital de terceiros e o confunde com outros tipos de capital que não representam a mesma função.

O que é capital de terceiros?

O capital de terceiros são todos os recursos externos que servem para tornar possível as atividades de uma empresa. Os exemplos mais comuns são:

  • Empréstimos bancários;
  • Financiamentos diversos.

Por outro lado, dentro do ramo da contabilidade, os passivos também são considerados capital de terceiros. Isso significa que as dívidas a fornecedores entram no cálculo.

A razão disso é o fato de que, mesmo que os fornecedores não tenham aportando dinheiro, eles aportaram serviços ou então matéria prima, essenciais para a operação da empresa.

Capital de terceiros e capital próprio

Para compreender melhor o que é o capital de terceiros, é necessário compreender o seu oposto, que é o capital próprio. Toda empresa também tem capital próprio.

O dinheiro de uma empresa que é considerado capital próprio é aquele que advém do investimento dos próprios sócios. O primeiro capital próprio é o capital social.

Diferente do capital de terceiros, o capital próprio não sairá da empresa, pois é este capital que permite que a empresa exista contabilmente.

Vale destacar que, apesar de ser considerado um capital fixo, o capital próprio também pode ser acrescido por meio de novos aportes, incluindo com a entrada de novos sócios.

Já o capital de terceiros entra na empresa para cumprir algum objetivo e depois precisa ser retornado, de preferência com correção monetária.

Vantagens do capital de terceiros

Assim como qualquer tipo de investimento, o capital de terceiros possui grandes vantagens que podem ser consideradas pelos empreendedores. Veja algumas:

  • Por ser composto basicamente de recursos monetários, o único compromisso da empresa é com a quitação da dívida, não sendo necessário prestação de serviços;
  • Pode ser muito propício para projetos e objetivos a longo prazo e que, mesmo quando os recursos financeiros deixarem a empresa, o lucro continue sendo gerado;
  • Não existem surpresas quanto ao valor da dívida, que é conhecida desde o momento da aquisição do capital.

Desvantagens do capital de terceiros

Se existem vantagens, também existem desvantagens. Portanto, antes de considerar a aquisição de capital de terceiros, lembre-se destes pontos:

  • O tamanho do capital de terceiros significa o tamanho do endividamento de uma empresa, e quanto maior está for, maiores são os riscos operacionais;
  • Atrasos com a quitação do capital de terceiros geram juros e, caso esteja estipulado no contrato, até multas;
  • Caso não seja muito bem empregado, o capital de terceiros pode se tornar uma dívida que compromete a operação da companhia.

Em resumo, o capital de terceiros é uma ferramenta importante se for bem empregada. No entanto, o correto é que a empresa mantenha equilibrada a sua exposição a ele.


Veja outros termos do mercado financeiro:

Mais acessados