Ações Banco do Brasil BBAS3

Banco do Brasil SA

O Banco do Brasil (ações BBAS3) é uma instituição bicentenária e segundo maior banco do Brasil em total de ativos. Tem como propósito principal, servir ao governo na concessão de linhas de crédito nas situações de extrema importância. Ver mais

Conheça Banco do Brasil ações BBAS3

Banco do Brasil é uma empresa de capital aberto negociada na bolsa de valores brasileira, suas ações são negociadas através do código BBAS3 na B3.

SETOR / SEGMENTOFinanceiro > Bancos

CNPJ

PÁGINA NA B3Ver site ⇨

FUNDADO

IPO

VALOR MERCADO

PÁGINA DE RIVer site ⇨

SITE OFICIALVer site ⇨

A história do Banco do Brasil se mistura com a história do próprio país. Quando a corte portuguesa vem à Colônia nas Américas, para fugir de Napoleão Bonaparte, em 1808, inicia-se um processo de modernização nas terras brasileiras para receber a família real de Portugal.

O príncipe-regente Dom João atravessa o oceano em busca de refúgio. Após algum tempo, em maio daquele ano, Dom João VI também veio para o Brasil. Em 12 de outubro, o rei determina a criação do primeiro banco nacional, o Banco do Brasil (ações BBAS3).

A oferta pública inicial no mercado financeiro do Banco do Brasil aconteceu em 1817. Em 1819, o próprio banco financiou a abertura da Bolsa de Valores no Rio de Janeiro. Na década de 1820, o Brasil já procurava ser uma nação independente e enfrenta inúmeros problemas econômicos, resultado da relação instável com a Coroa, a qual realizava retiradas monumentais do Banco e, consequentemente, causou a sua falência.

Inúmeros movimentos regionais separatistas acontecem no país, junto à instabilidade dos preços do açúcar, produto que movimentava a economia brasileira. Nesse contexto, o comerciante Inácio Ratton fundou o Banco Comercial do Rio de Janeiro, em 1838.

No Segundo Império, o Brasil começa a ter certa prosperidade, após o café aparecer na economia nacional. Nesse âmbito, iniciam-se os concursos públicos nacionais para empregar escriturários.

No Rio Grande do Sul, Irineu Evangelista de Souza, também conhecido como Barão de Mauá, inaugurou uma outra instituição financeira chamada Banco do Brasil, em 1851, a qual iria se fundir com o Banco Comercial do Rio de Janeiro pouco tempo depois. Essa união provou ser de suma importância no desenvolvimento do banco, que, em 1963, tornou-se o único emissor da moeda em território nacional.

Porém, no ano seguinte, o Banco do Brasil (ações BBAS3) precisou mostrar resiliência com a quebra da maior instituição financeira da iniciativa privada, a casa bancária A. J. Alves Santos, crise que se fez sentir até em Londres, mas que foi superada pelo banco nacional.

Em 1866, com a criação da Casa da Moeda, o Banco do Brasil (ações BBAS3) deixou de desempenhar a função de emitir moedas. O banco, assim, torna-se o maior captador de depósitos e fornecedor de empréstimos do Brasil. Nesse período, começaram os burburinhos sobre a abolição da escravatura, a qual iria trazer severas mudanças econômicas e políticas e traria mais dinamismo e circulação de moeda na economia nacional. Quando a abolição finalmente se concretiza, o Banco do Brasil exerce o papel de financiar a vinda dos imigrantes europeus e investir na agropecuária.

Junto com a abolição, veio a Proclamação da República. O novo governo democrático criou o Banco da República dos Estados Unidos do Brasil, o qual, em 1893 iria se combinar com o Banco do Brasil, resultando no Banco da República do Brasil. Em 1905, a União Federal decide assumir o controle acionário do banco e assim permaneceu até os dias atuais. Em 1906, o Banco entra, novamente, na Bolsa de Valores.

O novo século se inicia com muitos desafios ao Banco do Brasil (ações BBAS3). Entre 1914 e 1918, aconteceu a Primeira Guerra Mundial. Com o conflito, diversos problemas, como a falta de infraestrutura, baixa arrecadação do governo, flutuações nos preços de commodities e ausência de capital para investir, impedem o crescimento da economia nacional.

Em 1929, aconteceu outra crise, o Crash da Bolsa de Nova York. Na Europa, alguns regimes totalitários chegam ao poder. No Brasil, Getúlio Vargas se torna presidente. Todos esses fatos influenciaram no desenvolvimento do banco.

Em 1937, o Banco do Brasil (ações BBAS3) procura captar recursos com a previdência privada. O banco lança também a Carteira de Crédito Agrícola e Industrial. Em 1941, a instituição chega ao território estrangeiro pela primeira vez ao abrir uma agência no Paraguai. Depois disso, em 1944, o banco se envolve na Segunda Guerra Mundial e abre agências na Itália, país envolvido no conflito diretamente.

No ano seguinte, com o término do embate, o Brasil passou por um período de redemocratização, o que mudou o setor bancário. Cria-se a SUMOC ( Superintendência da Moeda e do Crédito) cujo objetivo era controlar a moeda e sinalizar para a criação de um banco central.

Nos anos 50 e 60, o Brasil experimentou um crescimento econômico nunca visto antes. Com o governo de Juscelino Kubitschek e a inauguração de Brasília, o Banco do Brasil (ações BBAS3) é transferido ao Planalto Central. Em 1964, a Lei da Reforma Bancária extingue a Sumoc e cria o Banco Central e o Conselho Monetário Nacional. Desse modo, o Banco do Brasil deixa de controlar a moeda brasileira.

As décadas que se seguiram também se mostraram bem-sucedidas ao Banco do Brasil. Em 1968, a instituição lança o Cheque Ouro, o famoso cheque especial, sucesso para o público brasileiro. Em 1976, o banco abre a sua milésima agência, em Barra dos Bugres, Mato Grosso. Em 1985, ano de reabertura econômica nacional, é inaugurada a Fundação Banco do Brasil, com fins educacionais. Em 1987, o Ourocard chega às mãos dos brasileiros.

Os anos 90 marcaram a volta das eleições diretas no país e o principal objetivo do próximo líder democraticamente eleito seria controlar a inflação que impedia o crescimento econômico nacional. O BB teve papel central ao ser o responsável pela troca da moeda, método encontrado pelos governantes para controlar os problemas inflacionários.

Os anos 2000 foram de modernização e implementação tecnológica no banco. Em 2006, o Banco completa 100 anos de listagem na Bolsa e ascende ao título de empresa do Novo Mercado, o topo de governança corporativa. Atualmente, o Banco do Brasil é a maior instituição financeira da América Latina e segue sua expansão por meio do fortalecimento de sua presença no exterior, revisão de suas práticas no varejo e expansão na área de cartões.

O que o Banco do Brasil faz

O Banco do Brasil (ações BBAS3) oferece os tradicionais serviços bancários, tais como abertura de contas corrente e poupança com o acompanhamento de cartões de crédito e débito, fornece consórcios, opções de financiamento e empréstimos, disponibiliza opções de investimentos, seguros, previdência e capitalização e, finalmente, soluções para dívidas e câmbio.

Estima-se que o Banco do Brasil tenha mais de 5.400 agências, 15 mil postos de atendimento em todas as regiões do país e mais 40 mil unidades bancárias que funcionam 24 horas por dia. Além dessa disponibilização física, o banco está no ambiente online, por meio de site e App. O BB, ainda possui 15 agências em território internacional.

O Banco do Brasil atende pessoas físicas e jurídicas e oferece soluções pertinentes para atender cada cliente. Um diferencial é a atenção que as agências disponibilizam para a área de atuação do agronegócio e para microempresas, de modo a facilitar o crescimento acelerado desses setores.

O Banco do Brasil atua no segmento bancário, em operações de pagamento e recebimento de contas, transferências, depósitos e entre outros, o que abrange as esferas do varejo, atacado e governamental. Ainda, no segmento de investimentos, o banco oferece diversas opções aos seus correntistas, desde artigos de renda fixa à renda variável, bem como o gerenciamento e gestão de tais carteiras de investimentos. No segmento da seguridade, o banco fornece soluções de seguro de vida, automóveis, patrimonial e saúde.

A jornada do Banco do Brasil já atravessou dois séculos e acompanhou o país em seus momentos econômicos mais importantes, como a troca da moeda em 1994. Sua relevância no contexto nacional é enorme, bem como a sua pertinência para o setor financeiro. Muito se discute sobre qual será o futuro do Banco do Brasil, mas, independente de qual rumo o banco irá tomar, é possível afirmar que tão importante instituição continuará presente na vida de milhões de brasileiros.

BBAS3 na Bolsa de Valores

A Oferta Pública Inicial (IPO) das ações de Banco do Brasil foi realizado em 1906 e suas ações podem ser negociadas por meio das ações BBAS3, que são ações ordinárias.

Pontos importantes de analisar para as ações de Banco do Brasil é o free float e o tag along.

O free float é a quantidade de ações da empresa que está em livre circulação na bolsa de valores, então quanto maior esse número for, melhor, pois quanto mais ações disponíveis para negociação, aumenta o interesse de mais investidores, impactando a liquidez da companhia, e atualmente, 49.58% das ações BBAS3 de Banco do Brasil estão em livre circulação no mercado.

Já o tag along representa o direito, em caso de venda das ações do sócio controlador, de vender suas ações junto, podendo receber os mesmos valores que o acionista majoritário em caso de tag along de 100%. No caso de BBAS3, o tag along é de 100%.

No ponto da governança corporativa, as ações BBAS3 estão listadas no segmento Novo Mercado da B3, que representa grau máximo de governança corporativa. Por isso, Banco do Brasil possui uma série de práticas que devem ser seguidas para aumentar a transparência e consistência das informações e a proteção de seus acionistas, incluindo minoritários, sinalizando assim.

Dividendos BBAS3

Você pode consultar a agenda dos próximos pagamentos de dividendos e o histórico de dividendos de Banco do Brasil na aba "dividendos" aqui da página da empresa.

Mural de discussão

Se a sua dúvida é sobre algum ativo, pesquise-o na caixa de busca e verifique se a sua dúvida já foi respondida por algum membro da comunidade.